* Nutri a Vida *

* Nutri a Vida *

22 de set de 2011

Para quem quer fazer NUTRIÇÃO !

Nutrição

Nutrição é a carreira ideal para mim?

É a ciência que investiga e controla a relação homem-alimento para preservar a saúde humana. O nutricionista planeja, administra e coordena programas de alimentação e nutrição em empresas, escolas, hospitais, hotéis, restaurantes comerciais, spas e asilos, entre outros locais. Ele define os cardápios das refeições, sugerindo pratos que supram as necessidades nutricionais de clientes, pacientes ou hóspedes. Orienta e prescreve dietas individuais ou de grupo, para diabéticos, hipertensos, obesos, pacientes de doenças renais, hepáticas ou qualquer outra cujo tratamento exija acompanhamento alimentar específico. Para garantir a qualidade do que vai ser consumido, seleciona os fornecedores, controla matérias-primas e supervisiona a preparação dos alimentos.

O mercado de trabalho

O mercado está aquecido para o nutricionista, especialmente no setor público e nas indústrias. "O mercado está bastante diversificado e sofisticado. Os egressos encontram oportunidades tanto em restaurantes simples, por quilo, como nos de alta gastronomia e em organizações não governamentais para lidar com projetos de combate à desnutrição e fome. No setor público, há muitos concursos para atuar em programas de alimentação e saúde, principalmente no âmbito municipal", explica Maria de Lurdes Mendes Vicentino Paulino, coordenadora da graduação da Unesp de Botucatu. No âmbito federal, há vários programas em andamento. O Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT) exige que o responsável técnico seja um bacharel em Nutrição. O mesmo vale para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), mais conhecido como merenda escolar, que determina às prefeituras que contratem nutricionistas para cuidar da alimentação das escolas públicas. Esses profissionais também integram os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf), que dão suporte direto às equipes do Programa Saúde da Família (PSF), do governo federal. O Sul e o Sudeste do país, em razão da grande concentração de indústrias, ainda são as regiões que mais empregam. Também há considerável oferta de emprego no segmento de alimentação coletiva, que abrange alimentação institucional (restaurante industrial), empresas de tíquete-refeição (em que o profissional é responsável, por exemplo, pelo credenciamento e descredenciamento dos estabelecimentos que aceitam o tíquete como forma de pagamento) e de cestas de alimentos (em que uma das funções do nutricionista é fazer o cálculo nutricional dos itens que compõem as cestas). Redes varejistas, como supermercados, restaurantes, padarias e bufês, contam assiduamente com os graduados. Indústrias alimentícias, como a Nestlé, a Unilever e a Sadia, costumam abrir vagas para o profissional de desenvolvimento de produto. Além disso, com o aumento do número de obesos e de casos de doenças do metabolismo, como a diabetes, e a crescente preocupação das pessoas em ter uma alimentação saudável, a tendência é que haja mais procura pelo nutricionista. As melhores oportunidades estão em cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba e Belo Horizonte, mas é possível encontrar vagas em regiões industriais, como Campinas, no interior de São Paulo, e Camaçari, na Bahia.

Salário inicial: R$ 1.503,27 (44 horas semanais; fonte: Federação Nacional dos Nutricionistas).

O curso

A maioria das disciplinas do currículo básico é da área médica, como fisiologia, anatomia e bioquímica. Mas boa parte do curso é dirigida à formação profissional, com aulas teóricas e práticas sobre qualidade nutricional dos alimentos, educação e higiene alimentar e avaliação nutricional. Nas aulas práticas de cozinha, o aluno aprende técnicas de preparo e conservação dos alimentos e investiga as transformações que eles sofrem antes de ser disponibilizados para o consumo. As disciplinas de patologia, farmacologia, dietoterapia e microbiologia dos alimentos complementam a formação profissional. O estágio é obrigatório, assim como o trabalho de conclusão de curso.


Duração média: quatro anos.

O que você pode fazer

Administração

Supervisionar e gerenciar a produção de alimentos em indústrias alimentícias. Supervisionar e gerenciar a produção de refeições em cozinhas industriais, hospitais, restaurantes de empresas comerciais, creches, escolas, asilos, spas, hotéis, empresas de serviço de bufês e congelados.

Catering

Elaborar cardápios para empresas diversas, como companhias aéreas e produtoras de cinema e TV ou de espetáculos teatrais.

Controle nutricional

Criar cardápios balanceados para todos os tipos de cliente.

Desenvolvimento de produto

Pesquisar e desenvolver produtos para a indústria alimentícia, fazendo testes culinários e degustação dos pratos. Prestar consultoria a empresas do setor de alimentos.

Gastronomia

Controlar a qualidade da cozinha e as condições de higiene de restaurantes. Elaborar cardápios.

Marketing

Coordenar pesquisas de produtos, testes de receitas e serviços de atendimento ao consumidor, tanto em indústrias alimentícias quanto em cozinhas experimentais.

Nutrição clínica

Prescrever dietas a pacientes de hospitais, clínicas, instituições de longa permanência, ambulatórios e consultórios, além de adaptar a alimentação aos tratamentos clínicos. Formular dietas de emagrecimento e para qualquer tipo de patologia. Promover a reeducação alimentar. Gerenciar bancos de leite humano e lactários.

Nutrição esportiva

Elaborar e coordenar o acompanhamento alimentar de atletas e praticantes de atividade física, criando dietas adequadas.

Saúde coletiva

Realizar e coordenar atividades de alimentação e nutrição para programas institucionais, de atenção básica e de vigilância sanitária.

Docência e pesquisa

Atuar em atividades de ensino, extensão e pesquisa relacionadas à alimentação e à nutrição.


• Espero ter ajudado na decisão de vocês, quem sabe, futuros colegas de profissão !!

22 de mai de 2010

13 de fev de 2010

Vitaminas e Deficiências




→ VITAMINA B1 Auxilia na digestão, principalmente de carboidratos. Melhora a atividade mental. Mantém normal o funcionamento do sistema nervoso, dos músculos e do coração.

CONDIÇÕES ASSOCIADAS À BAIXA TAXA DE VITAMINA B1
Irritabilidade;
Ansiedade;
Nervosismo;
Indigestão;
Câimbra noturna nas pernas e pés;
Agitação;
Diminuição da memória;
Fraqueza muscular;
Insônia;
Dificuldade de aprendizado.

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A BAIXA TAXA DE VITAMINA B1
Alimentação inadequada

Fontes: levedura, cereais integrais, germe de trigo, vegetais e frango.

→ VITAMINA B12
É responsável pela formação e regeneração das células vermelhas do sangue. Mantém o sistema nervoso saudável. Participa da síntese de proteínas.

CONDIÇÕES ASSOCIADAS À BAIXA TAXA DE VITAMINA B12
Formigamento nas mãos e nos pés;
Fraqueza muscular;
Irritabilidade;
Depressão;
Perda de memória;
Demência;
Psicose;
Anemia;
Paranóias;
Constipação (prisão de ventre).

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A BAIXA TAXA DE VITAMINA B12
Alimentação inadequada;
Vegetarianos.

Fontes: fígado, ostra, salmão, queijo, frutas, peixes e vegetais verde-escuros.

→ VITAMINA B2
Está envolvida em muitas ações do corpo, principalmente disponibilizando a energia dos alimentos e restaurando tecidos.

CONDIÇÕES ASSOCIADAS À BAIXA TAXA DE VITAMINA B2
Alcoolismo;
Colesterol alto;
Pele seca com descamação;
Queimação na planta dos pés;
Lábios secos com rachaduras;
Rachaduras na língua;
Dores generalizadas.

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A BAIXA TAXA DE VITAMINA B2
Alimentação inadequada.

Fontes: germe de trigo, iogurte, cereais integrais, peixes, siri, semente de abóbora.

→ VITAMINA B3
Sua deficiência no organismo pode provocar a doença Pelagra (diarreia, demência e dermatite). Esta vitamina ajuda a diminuir o colesterol e os triglicerídios, sendo também usada no controle da esquizofrenia. Melhora a pressão e vertigens. É essencial para a pele saudável e participa da síntese de proteínas.

CONDIÇÕES ASSOCIADAS À BAIXA TAXA DE VITAMINA B3
Irritabilidade;
Ansiedade;
Instabilidade emocional;
Diminuição do interesse e prazer sexual;
Impotência;
Confusão mental;
Insônia;
Fadiga/Cansaço;
Dor de cabeça;
Mau hálito;
Formigamento de mãos e pés;
Constipação (prisão de ventre).

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A BAIXA TAXA DE VITAMINA B3
Alimentação inadequada.

Fontes: fígado, carnes magras, peixes oleosos, vegetais verde-escuros, alcachofra, batata, aspargo, cogumelo e ervilhas.

→ VITAMINA B5
É essencial para o metabolismo celular. Está envolvida na liberação de energia do carboidrato, na degradação e metabolismo de ácidos graxos, na síntese do colesterol, fosfolipídios e hormônios esteroides.

CONDIÇÕES ASSOCIADAS À BAIXA TAXA DE VITAMINA B5
Doenças neurológicas;
Sonolência;
Dor de cabeça;
Câimbra;
Irritabilidade;
Nervosismo;
Flatulência (gases).

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A BAIXA TAXA DE VITAMINA B5
Alimentação inadequada.

Fontes: gema de ovo, rim, brócolis, fígado e leveduras.

→ ÁCIDO FÓLICO
É importante para a produção de DNA/RNA e possui ação analgésica. Protege contra parasitas e verminoses. É essencial para formação de glóbulos vermelhos do sangue.

CONDIÇÕES ASSOCIADAS À BAIXA TAXA DE ÁCIDO FÓLICO
Apatia;
Fadiga;
Cansaço;
Diminuição da memória;
Fraqueza muscular, dores nas pernas;
Aftas;
Indigestão;
Dor de cabeça.

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A BAIXA TAXA DE ÁCIDO FÓLICO
Alimentação inadequada;
Alimentação pouco colorida.

Fontes: arroz, soja, aspargos, brócolis, amêndoas, aveia, abacate e cogumelos.

→ VITAMINA C
Combate os radicais livres (substâncias que atacam as células e as oxidam), aumenta a imunidade do organismo, além de controlar doenças cardiovasculares. É importante para a síntese de colágeno (prevenindo o envelhecimento precoce).

CONDIÇÕES ASSOCIADAS À BAIXA TAXA DE VITAMINA C
Irritabilidade;
Dificuldade de cicatrização;
Agitação;
Cabelos secos e quebradiços;
Acne;
Envelhecimento precoce;
Anemia.

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A BAIXA TAXA DE VITAMINA C
Alimentação inadequada.

Fontes: acerola, brócolis, batata, maçã, manga, rabanete, melão, tomate, laranja, limão, bergamota, amora, cereja, damasco, kiwi e morango.

→ COLINA
Auxilia na perda de memória e estimula o raciocínio. Ajuda a eliminar venenos e medicamentos do organismo, melhorando a atividade do fígado (desintoxicação). Auxilia no tratamento do Mal de Alzheimer.

CONDIÇÕES ASSOCIADAS À BAIXA TAXA DE COLINA
Cirrose;
Degeneração adiposa do fígado;
Doenças neurológicas;
Falta de concentração;
Atraso no crescimento.

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A BAIXA TAXA DE VITAMINA COLINA
Alimentação inadequada.

Fontes: feijão, lima, melão, bergamota, uva, repolho e amendoim.

→ INOSITOL
É um composto orgânico do grupo de vitaminas do Complexo B. Está ligado também ao metabolismo das gorduras, no transporte de cátions por meio da membrana celular e no metabolismo das mitocôndrias.

CONDIÇÕES ASSOCIADAS À BAIXA TAXA DE INOSITOL
Agitação;
Colesterol alto;
Queda de cabelo;
Constipação (prisão de ventre);
Gordura localizada.

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A BAIXA TAXA DE INOSITOL
Alimentação inadequada.

Fontes: fígado, carne, grãos inteiros, vegetais, feijão, repolho, amendoim e uva.

→ BIOTINA
Regula metabolismo dos ácidos graxos (gorduras) e participa na síntese das proteínas, carboidratos e gorduras. Alivia dores e a dermatite.

CONDIÇÕES ASSOCIADAS À BAIXA TAXA DE BIOTINA
Retenção de água;
Inchaço;
Queda de cabelo;
Enjôo;

Vômito;

Coceira nos olhos;
Fraqueza muscular;
Cansaço.

FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A BAIXA TAXA DE BIOTINA
Alimentação inadequada.

23 de jan de 2010

DEZ PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL


DEZ PASSOS PARA UMA ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

  1. Faça pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e jantar) e dois lanches saudáveis por dia. Não pule as refeições.
  2. Inclua diariamente seis porções do grupo de cereais (arroz, milho, trigo, pães e massas), tubérculos como as batatas e raízes como a mandioca/macaxeira/aipim nas refeições. Dê preferência aos grãos integrais e aos alimentos na sua forma mais natural.
  3. Coma diariamente pelo menos três porções de legumes e verduras como parte das refeições e três porções ou mais de frutas nas sobremesas e lanches
  4. Coma feijão com arroz todos os dias ou, pelo menos, cinco vezes por semana. Esse prato brasileiro é uma combinação completa de proteínas e bom para a saúde.
  5. Consuma diariamente três porções de leite e derivados e uma porção de carnes, aves, peixes ou ovos. Retirar a gordura aparente das carnes e a pele das aves antes da preparação torna esses alimentos mais saudáveis!
  6. Consuma, no máximo, uma porção por dia de óleos vegetais, azeite, manteiga ou margarina. Fique atento aos rótulos dos alimentos e escolha aqueles com menores quantidades de gorduras trans.
  7. Evite refrigerantes e sucos industrializados, bolos, biscoitos doces e recheados, sobremesas doces e outras guloseimas como regra da alimentação.
  8. Diminua a quantidade de sal na comida e retire o saleiro da mesa. Evite consumir alimentos industrializados com muito sal (sódio) como hambúrguer, charque, salsicha, lingüiça, presunto, salgadinhos, conservas de vegetais, sopas, molhos e temperos prontos.
  9. Beba pelo menos dois litros (seis a oito copos) de água por dia. Dê preferência ao consumo de água nos intervalos das refeições.
  10. Torne sua vida mais saudável. Pratique pelo menos 30 minutos de atividade física todos os dias e evite as bebidas alcoólicas e o fumo. Mantenha o peso dentro de limites saudáveis.

Dicas para evitar a CELULITE '

Celulite é uma palavra que deveria sumir de uma vez por todas do dicionário. MelhorCelulite ainda se sumisse do nosso corpo. Mas a celulite existe e não é só com você: cerca de 90% das brasileiras sofrem disso. Trata-se de uma modificação da textura dos tecidos subcutâneos, causada por vários fatores que agem isoladamente ou em conjunto: desequilibrio hormonal e retenção de água, problemas circulatórios, hereditariedade, alimentação inadequada, vida sedentária, uso de pílula anticoncepscional e stress.

A celulite passa por alguns estágios. O primeiro, você ja sabe, é o edema. Depois começam as complicações circulatórias.

Mais tarde, há uma espessamento das células de gordura. E, finalmente, aparece o nódulo. E aí que a pele fica com aspecto de casca de laranja. Como não existe uma só causa, infelizmente também não há uma só forma de acabar com o problemo. Mas aqui vão dicas importantes:

- Faça um controle mais severo da alimentação, evitando principalmente o excesso de gorduras e açúcar. Prefira legumes, frutas , verduras, ricos em nutrientes importantes ao corpo.

- Tome muita água. No mínimo oito copos por dia. Ela ajuda a limpar e desintoxicar o organismo.

- Combata a prisão de ventre com alimentos ricos em fibras.

- Faça exercícios regularmente.

- Relaxe.